Ser ou não ser criança?

A passagem de uma criança, onde ela deixa de ser um menino para se tornar um homem, pode muito bem ser marcada quando nos confrontamos com outra pessoa. No meu caso contra um valentão da minha antiga escola. Quando o sinal tocara para o recreio, isso era motivo de euforia, de empurrar a mesa para frente e sair gritando enquanto jogam-se os braços para cima. Mas não para mim. Era a terceira semana que o valentão da escola, Jessé, roubara meu lanche. Me sentia como um derrotado, em silêncio, todas as tardes na escola, pois Jessé ameaçava me bater ainda mais se eu contasse para alguém. Naquele dia, minha mãe fizera pão de queijo de lanche, daqueles que estalam ao ser mordidos, afundando os dentes em sua maciez, mas não estariam na minha boca, porque o valentão já estava a me observar.
“Nunca comece uma briga, mas se tiver que brigar, seja homem!”, ouvia a voz do meu pai na minha cabeça, enquanto lembrava das vezes que facilitava o lanche, ou corria até sumir do pátio, para nunca voltar para casa machucado, mas hoje… hoje tinha pão de queijo para comer! Ele se aproximava lentamente, de peito estufado, passando a língua entre os lábios secos e descascados, fitando meu lanche como se já o estivesse mastigando. Parou na minha frente, o sol escondia-se atrás de seu corpo largo, e perguntou:
– Parece que sua mãe caprichou no seu lanche hoje hein?
Não respondi. Baixei minha cabeça, abracei minha lancheira contra o peito e fiquei estático no banco do pátio. Eu não ia entregar para ele dessa vez, estava determinado a lutar pelo que me pertence.
– Que que foi? Vai negar?!
– Sai daqui cara, deixa eu comer em paz.
Devia ter ficado quieto. Jessé me olhou com raiva, sentindo-se contrariado, e jogou sua mão contra minha cabeça, caí para fora do banco, deixando cair minha lancheira aberta no chão. Ele caminhou lentamente em direção aos pães de queijo e começou a comê-los esboçando um sorriso debochado enquanto me encarava. Dava pra ver na sua boca alguns pedaços do meu lanche quando ele começou gargalhar sobre meu corpo caído no pátio. Era humilhante demais.
Lembrava novamente do que meu pai dizia, eu devia me defender, já estava com 7 anos e precisava começar a agir como homem. Enxuguei as lágrimas do meu rosto, cerrei o punho e me levantei rapidamente com a mão esquerda indo direto ao seu queixo. O impacto foi tão grande quanto a queda, todo mundo parou e olhou para onde estávamos, imaginando que o Jessé havia passado dos limites de novo, mas desta vez, um menino cabeçudo estava de pé diante do gigante caído. Demorei para processar o que havia feito, não sabia o que fazer então, pois era minha primeira briga. Jessé se levantou envergonhado, olhando a sua volta, só via crianças menores que ele dando risada. Olhou para mim, e viu a oportunidade de retomar o seu posto de valentão. Meu segundo soco atingiu o ar a sua frente, dando brecha para enroscar seu braço gordo no meu pescoço, as palavras de Jessé pareciam distantes naquele momento: “vai querer bancar o homem agora?!”. O cenário do pátio da escola aos poucos ia escurecendo enquanto eu me esperneava ao buscar um pouco de ar. Não lembro o muito o que aconteceu depois, acordei na enfermaria com o meu pai ao meu lado. Ele estava com cara de preocupado, perguntou se estava tudo bem comigo, eu disse que sim, recordando de como eu tentara defender meu lanche. Expliquei pra ele o que aconteceu e seus conselhos que passaram na minha cabeça durante o conflito.
– Defendi o que era meu, pai, como você sempre disse, agi como um homem!
O pai dava um sorriso mordido, pensando que satisfação daria para minha mãe, nós sabíamos que não teria homem o bastante para bater de frente contra ela.
– Fico feliz que tu tenhas se defendido, mas na dúvida, se a tua mãe perguntar.. tu caíste da escada, ok?
– Não acho que seria muito homem da minha parte fazer isso..
– Acho que já está na hora de tu voltares a ser criança.
Anúncios

Quando Eduardo quis sair de casa.

– Bom dia.

– Bom dia.

– Não estou achando minha camiseta do Rise Against, sabe onde ela está?

– Botei fora, Eduardo.

– VOCÊ O QUÊ?

– Botei fora, ora! O que tu queria com aquele trapo?

– Aquele “trapo” tinha ido a um show do Iron Maiden, porra! Como tu pôde…

– Olha, Eduardo, para ser bem sincera, não estava mais aguentando sair com aquilo que tu chamava de camiseta sempre que íamos jantar fora, além do mais, comprei uma da mesma banda para ti que eu nunca vejo tu usar, deveria ao menos experimentar ela.

– Já cansei de te explicar, Rise Against NÃO É, Rage Against the Machine.

– Eduardo, era só uma camiseta, por quê você está agindo assim?

– Porque estou cansado de ver minhas coisas sendo jogadas fora sem o meu consentimento, eu também moro aqui e exijo voz nesta casa!

– Você devia é me agradecer por lhe dar roupas novas, se fosse outra mulher, já teria queimado todas aquelas camisetas com caveiras que tu possui.

– Isso não está dando certo, eu não tenho controle sobre as minhas coisas há muito tempo, está na hora de eu procurar um lugar para morar.

– É assim que você me agradece por cuidar de você? Depois de todos estes anos, nunca agi esperando um agradecimento, embora fosse bom receber um “obrigado” de vez em quando.

– Agradeceria se tu ficasse longe das minhas coisas, da minha vida também!

Eduardo decidiu pegar uma camiseta preta enquanto discutia pelo quarto, deixou a porta de casa rapidamente a passos largos, estava atrasado para sua aula, o que só contribuiu para sua revolta, durante o caminho jurou para si mesmo que procuraria um lugar para viver abaixo de suas próprias regras e que já era grande o suficiente para sair da casa de sua mãe.
*Nota do autor: ainda estou sem internet..